Um grupo britânico de parlamentares elaborou um relatório, alertando que o massacre de cristãos na Nigéria está seguindo o curso de um genocídio.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

violência contra os cristãos na Nigéria segue o curso de um genocídio, um grupo de parlamentares do Reino Unido alertou esta semana em um novo relatório, analisando o impacto da violência perpetuada por extremistas do Boko Haram e milícias Fulani em todo o país da África Ocidental.

O Grupo Parlamentar do ‘Partido para a Liberdade Internacional de Religião ou Crença’ (APPG) do Reino Unido, um grupo bipartidário de parlamentares de ambas as casas do parlamento, divulgou seu novo relatório “Nigéria: Revelando o Genocídio?” na segunda-feira passada.

Enquanto a Nigéria continua sofrendo com a insurgência do Boko Haram e a existência de seu grupo dissidente (‘Província Islâmica da África Ocidental’), os membros do APPG estão preocupados com relatos de violência crescente caracterizada como um “conflito entre fazendeiros e agricultores”, apesar de um número desproporcional de assassinatos sendo realizado por pastores (criadores de gado) militantes Fulani contra comunidades agrícolas predominantemente cristãs na fértil região do Cinturão Médio.

Os defensores dos direitos internacionais sustentaram que o padrão de genocídio foi atingido na Nigéria, pois as estimativas sugerem que milhares de cristãos foram mortos no Cinturão Médio, como um processo tradicional de arbitragem entre agricultores e criadores de gado por causa de colheitas danificadas nos últimos anos.

A violência no Cinturão Médio e no nordeste da Nigéria (onde o Boko Haram e Fulanis cometem atrocidades) levou ao deslocamento em massa de milhões, pois comunidades inteiras foram forçadas a fugir com medo de suas vidas, após inúmeros massacres.

“Entre todas as injustiças para o Reino Unido ajudar a corrigir em um futuro próximo, a perseguição generalizada e crescente sofrida pelos cristãos deve estar no topo da lista”, disse o deputado Jim Shannon em comunicado. “Assim, como o Reino Unido enfrenta o desafio de bloquear e quarentena em massa pela primeira vez na memória, peço que você reserve um pensamento para os cristãos que enfrentam não apenas uma pandemia, mas também ameaças de violência e perseguição que nem podemos imaginar”.

O relatório exige que o governo da Nigéria e a comunidade internacional implemente, recomendações para ajudar a salvar as vidas dos cidadãos nigerianos, como investigações e processos abrangentes.

“Como os ministros do governo nigeriano admitiram publicamente e com razão, os cristãos estão sendo cruelmente alvejados, especificamente por causa de sua fé”, afirma o relatório. “Sem dúvida, porém, muçulmanos pacíficos, por meio de violência colateral, também podem se tornar vítimas dessa cruel ideologia religiosa islâmica. É uma ideologia destrutiva e divisória que rapidamente se transforma em crimes contra a humanidade e segue o curso de um genocídio”.

“Não devemos hesitar em dizer isso”, acrescenta o relatório. “Infelizmente, o Boko Haram não é a única ameaça que os cristãos nigerianos enfrentam. Ataques de grupos armados de pecuaristas Fulani resultaram na morte, mutilação, expropriação e despejo de milhares de cristãos. Às vezes, é difícil para nós no Ocidente imaginar esse tipo de sofrimento, por isso é importante que reconheçamos as histórias de sobreviventes”.

Perseguição religiosa disfarçada

O relatório examina vários fatores que aumentam a violência praticada pelas milícias Fulani contra as comunidades agrícolas e a violência retaliativa periódica. Os fatores analisados ​​incluem “competição de recursos, sectarismo religioso [a maioria dos pecuaristas Fulani são muçulmanos], má gestão da terra pelo governo nigeriano, crescimento populacional, mudança climática e insegurança”.

“O rápido crescimento populacional, as mudanças climáticas e a desertificação diminuíram a água disponível para terras e pastagens e pressionaram os recursos”, afirma o relatório, citando uma estimativa das Nações Unidas de que cerca de 80% das terras agrícolas do Sahel estão degradadas e “as terras disponíveis para pastores estão encolhendo”.

Isso significa que a produção de grãos e alimentos está forçando os pastores “a uma busca desesperada por pastagens férteis”.

“À medida que os Fulani viajam para regiões mais distantes em busca de água e terra para pastagem de seu gado, entram em conflito com os agricultores locais, que os acusam de invadir suas terras e danificar suas colheitas”, acrescenta o relatório. “O aumento do conflito reduziu a capacidade dos líderes tradicionais de amenizar as tensões e resolver conflitos de forma amigável. Isso contribuiu para o colapso dos mecanismos históricos de solução de controvérsias e o conflito que virou violência”.

Embora haja fatores econômicos em jogo, o relatório também afirma que a escalada da violência “também deve ser vista no contexto do crescente poder e influência do extremismo islâmico no Sahel”.

“Vários grupos, como o Estado Islâmico na província da África Ocidental (ISWAP), uma facção do Boko Haram e afiliada do califado enfraquecido do E.I. no Iraque e na Síria, continuam a expandir suas redes na Nigéria, Mali, Níger, Camarões, Chade e Burkina Faso”, explica o relatório. “Embora não necessariamente compartilhem uma visão idêntica, alguns pastores Fulani adotaram uma estratégia comparável ao Boko Haram e ao ISWAP e demonstraram uma clara intenção de atingir cristãos e símbolos da identidade cristã, como igrejas”.

O APPG recebeu numerosos relatórios sobre pastores e outros líderes comunitários cristãos sendo alvejados por esses grupos que promovem atos terroristas.

“Durante muitos dos ataques, os pastores relataram que os terroristas gritaram ‘Alá ou Akbar’ [‘Alá é grande’], e mataram os que chamam de ‘infiéis'”, alega o relatório.

“Centenas de igrejas foram destruídas, incluindo mais de 500 igrejas no estado de Benue. Como o bispo de Truro concluiu em seu relatório para o Ministério das Relações Exteriores e da Commonwealth do Reino Unido, “a dimensão religiosa é um fator significativamente preocupante” nos confrontos entre agricultores e pastores e a “violência direcionada contra comunidades cristãs no contexto da adoração sugere que a religião desempenha um papel fundamental nessas comunidades’”.

Justiça falha

Embora os cristãos pareçam ser as principais vítimas da violência no cinturão médio, o relatório explica que os ataques dos Fulani “levaram a violências periódicas de retaliação, pois as comunidades agrícolas concluem que não podem mais confiar nas autoridades para proteção ou justiça”.

“Alguns vigilantes locais, liderados por jovens, buscam fazer justiça com suas próprias mãos, realizando represálias violentas contra muçulmanos que eles acreditam que são apoiados pelo governo”, afirma o relatório. “Tal violência retaliatória não pode ser tolerada. No entanto, suas represálias devem ser vistas no contexto de uma necessidade urgente de que as autoridades apliquem o Estado de Direito para proteger todos os seus cidadãos”.

Sobre o Colaborador

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.