Cristão iraniano, apesar de isolado, fortaleceu sua fé por meio da leitura de uma Bíblia clandestina

Fonte: portasabertas

No Dia Mundial do Refugiado, você conheceu um pouco da história de Mojtaba, cristão que fugiu o Irã por causa de sua fé. Após conhecer a Jesus assistindo um filme, ele decidiu visitar uma igreja. Porém, os membros, por não saberem se ele era cristão ou alguém da polícia secreta, não o aceitaram. Pela lei, as igrejas não têm permissão para deixar cristãos ex-muçulmanos entrarem.

Apesar disso, um dos membros da igreja deu uma Bíblia para Mojtaba secretamente. “Ela foi impressa em uma gráfica clandestina, por isso a qualidade não era boa. Alguns versos foram impressos tão obscuros que eu não conseguia lê-los. Mas era tudo que eu tinha”. Crescendo em isolamento, anos solitários se seguiram. “Eu não tinha ninguém para me ensinar sobre Cristo”, conta. Mojtaba guardou a Bíblia que recebeu do membro da igreja, às vezes, ele passava 10 horas lendo a Bíblia, tentando entender o significado daqueles escritos.

No parque ou no quarto, Mojtaba lia a Bíblia em qualquer lugar. Mas decidiu manter sua fé escondida. Ninguém podia ver o que estava fazendo. Não falou nem mesmo para sua família, ainda solteiro, vivia com os pais. “Sempre que alguém se aproximava, eu fechava rapidamente minha Bíblia”, disse.

Sem uma igreja, o cristão não tinha lugar para cultuar, mas acabou encontrando uma solução para isso: “Meu irmão comprou um computador e, quando ele não estava em casa, eu ouvia canções cristãs online”. A cada dia a fé de Mojtaba crescia e ele passou a se sentir mais preparado para compartilhar o evangelho com outras pessoas.

Lista Mundial da Perseguição
Dos dez primeiros países da Lista Mundial da Perseguição 2019, oito têm o islamismo radical como principal tipo de perseguição contra os cristãos, incluindo o Irã, que está na 9ª posição. Nossos irmãos precisam estar preparados e aprender mais sobre o evangelho. Ao doar para esse projeto, você possibilita que um cristão participe de treinamento por uma semana.