Alim chegou a realizar uma das maiores operações de tráfico de drogas na Ásia.

Depois de se converter ao cristianismo, um homem na Ásia Central, que era um conhecido contrabandista de drogas, agora usa suas habilidades para administrar um centro secreto de distribuição da Bíblia. Um membro do Ministério Portas Abertas compartilhou a história de Alim, que, quando jovem, realizou uma das mais ambiciosas operações de tráfico de droga na região.

No entanto, ele finalmente foi pego pelas autoridades, que o trancaram em uma prisão. Enquanto estava na prisão, Alim lutou para encontrar propósito em sua vida. “Por um longo tempo, negligenciei as questões espirituais. Eu estava vazio e não queria viver”, lembrou ele. Um dia, seu companheiro de cela lhe ofereceu o livro do Novo Testamento para ler.

Alim então passou a ler o Evangelho de João e logo começou a fazer perguntas, lutando com o conceito de vida eterna. Ao ler as Escrituras naquela prisão, Alim conheceu Jesus, mudando para sempre sua vida. Ao servir o restante da sentença, ele ficou livre das drogas e do álcool e começou a crescer espiritualmente. Quando foi libertado da prisão, ele decidiu se inscrever no seminário.

Mudança de Vida

O homem começou a pastorear uma congregação local. No entanto, como a área era hostil aos cristãos, a igreja foi obrigada a ficar escondida, se encontrando para reuniões em locais diferentes. Ainda assim, Alim continuou seu ministério e até colocou suas habilidades de contrabando em ação. Hoje, ele dirige um dos maiores centros de distribuição de Bíblias do Ministério Portas Abertas em toda a Ásia Central.

“Alim e sua equipe contrabandeiam Bíblias que são tidas como ilegais, além de revistas de discipulado e materiais de evangelismo armazenados aqui para igrejas em cinco países vizinhos”, observa a Portas Abertas. “Esta rede subterrânea fornece aos crentes as palavras de Jesus para sustentar sua caminhada cristã. Eles também fazem o que o companheiro de cela de Alim fez por ele, ajudam os incrédulos a conhecer Jesus pela primeira vez através da Bíblia”.

Riscos

Alim ressalta: “Claro, é perigoso. As autoridades virão e procurarão, mas os materiais estão escondidos”. Enquanto Alim não volta à prisão, caso o centro de distribuição de Bíblias seja descoberto pelas autoridades, ele continua a trabalhar incansavelmente para divulgar o Evangelho: “Estamos aqui para começar uma revolução, levar as pessoas da morte à vida”, pontuou.

A perseguição dos cristãos é desenfreada em alguns estados. O Ministério Portas Abertas listou o Uzbequistão, o Turquemenistão, o Tajiquistão e o Cazaquistão em sua Lista Mundial 2016 de Perseguição Religiosa, apontando os 50 lugares onde é mais perigoso ser cristão. O Uzbequistão é o país mais perseguidor da Ásia Central, e na República do Azerbaijão (13º na lista), os protestantes são considerados “extremistas”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GOSPEL HERALD