Dízimo: Hebraico: ma´aser – esse termo tem origem no numeral dez ‘eser (Asar), ‘asarah,; Grego:`Dekate´.

 

Há duas citações apenas do dízimo antes de se tornar parte da lei mosaica, ambas na dispensação dos patriarcas, embora alguns digam que se dizimava antes disto (Adão-Abel-Enoque) esta afirmação não é bíblica.

A primeira citação do dízimo ocorre em Géneses 14:20  “E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abraão deu-lhe o dízimo de tudo” onde Abraão deu o dízimo de todo o despojo que retirou das nações confederadas que haviam seqüestrado seu sobrinho Ló ao sacerdote Melquizedeque que lhe veio ao encontro com vinho e pão.

Na segunda ocorrência fala de Jacó fugindo do seu irmão Isaú por causa da usurpação do direito de primogenitura, ao chegar em Betel tem um sonho onde vê uma escada com anjos de Deus subindo e descendo e o próprio Deus encima dela lhe faz promessas confirmando as promessas feitas aos seus pais então, unge a pedra que lhe servira de travesseiro e pôs por coluna, denomina aquele lugar Betel (casa de Deus), antes se chamava Luz. Nesta ocasião Jacó faz um voto condicional contendo seis pedidos; “Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo e me guardar neste caminho que vou seguindo, e me der pão para comer e vestes para vestir, de modo que eu volte em paz à casa de meu pai, e se o Senhor for o meu Deus, então esta pedra que tenho posto como coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo Génesis 28:20/22.

Obs. Não é este tipo de dízimo que querem de nós hoje, aliás Abraão sequer seria tido como um “dizimista fiel” como chamam hoje aos dizimistas, pois Abraão desde que conheceu a Deus em Ur dos Caldeus nunca havia dizimado; nunca dizimou dos seus bens pessoais (Abraão era muito rico em gado, em prata e em ouro Génesis 13:2)e sim apenas dos despojos daquela guerra em particular (despojos = saques, espólio de guerra, tudo o que era tomado em guerra e que tinha valor); não há registro bíblico que tenha dizimado depois disto, nem que tenha se encontrado com Melquizedequenovamente para que pudesse faze-lo. Dizem que temos que dar o dízimo para sermos abençoados, observe que Abraão não foi abençoado por dar o dízimo e sim antes,“Ora, Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; pois era sacerdote do Deus Altíssimo; e abençoou a Abraão, dizendo: bendito seja Abraão pelo Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra! E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abraão deu-lhe o dízimo de tudo”. Génesis 14:18/20. Abenção não foi conseqüência do dízimo.

Abraão deu sem ninguém lhe pedir, hoje usam cultos completos só para este fim

Abraão deu o dízimo apenas de uma bênção específica e não de todos seus rendimentos

Abraão deu uma única vez. Se agirmos assim seremos considerados dizimistas?

Se Abraão não tivesse dado não pecaria em nada, não haveria represálias pois não havia ainda a lei para o constranger e sem lei não há transgressão Romanos 4:15. Hoje nos dizem que o dízimo é voluntário como foi o de Abraão, mas quem não dizima é discriminado, perseguido, evitado como um leproso, não lhe é dada nenhumaatividade na igreja, é criticado, censurado, exposto a vergonha e constrangimento, ofendido verbalmente (xingado de ladrão), ameaçado com maldições previstas na lei, etc. Sim, com certeza não é o tipo de dízimo que Abraão deu que cobram de nós hoje! Não é também o tipo de dízimo que Jacó deu que querem de nós, pois a exemplo de seu avô, não era cobrado ou pedido, não era do que ele já tinha, não era mensal, não seria dado agora e sim muito tempo depois quando estivesse casado (duas vezes), com filhos, com muita riqueza e estivesse voltando pra casa, aliás, nem dízimo era, era apenas um voto condicional (se = conjunção condicional = caso; exprime hipótese, condição) como o texto mesmo diz, se não fizesse o voto nenhuma obrigação teria, nem represálias Eclesiastes 5:4, isto também não fazia de Jacó um “dizimista fiel” como querem hoje.

Afirmam que cobram o dízimo com base anterior á Lei, mas citam Malaquias 3:10 que é da Lei (último livro do antigo testamento). Já viu alguém citar Génesis 14:20 para requerer o dízimo? E Génesis 28:20/22? Quer exigir o dízimo porque é a anterior á lei? Exija também a circuncisão pois também é anterior á lei. Génesis17:14

Mesmo que (quem dera) fosse o dízimo que querem hoje como o dízimo anterior á Lei, não valeria para os que estão na graça, pois vivemos num tempo regido por outro sistema, outra promessa, outro juramento que é o Dom gratuito de Deus diferente dos que viveram sob a ofensa (pecado de Adão) sem redentor. Veja: Porque a lei constitui sumo sacerdotes a homens que têm fraquezas, mas a palavra do juramento, que veiodepois da lei, constitui ao Filho, para sempre aperfeiçoado. Hebreus 7:28 e mais, Masnão é assim o Dom gratuito como a ofensa; porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, abundou para com muitos Romanos 5:15. Devemos lembrar que não somos regidos pela gestão anterior á lei e sim pela posterior, á saber, a graça que só veio com Jesus Cristo na chamada “plenitude dos tempos” Gálatas 4:4/5

Quanto a Isaque, filho de Abraão, não há registro bíblico que tenha pago o dízimo em tempo algum.

Entrou a dispensação da Lei, o que era voluntário passou então a ser absorvido pela Lei Judaica, o dízimo que era  espontâneo passou a ser exigência de Deus, contribuição exigida pelo próprio Deus através de seu legislador Moisés. Levítico 27:30  Não era um pedido nem  era voluntário nem sequer pela fé e sim pela ordenança trazendo, como toda a desobediência á lei, condenações várias para quem não pagasse, coisa que não acontecia com os patriarcas  porque a obrigatoriedade não é para os justo mas para os transgressores I Timóteo 1:9. O dízimo passou a ser uma forma de imposto nacional israelita para o sustento dos Levitas, que não poderiam ter bens propriedades nem herança. Números 18:24.

Obs. Os recolhedores de dízimos hodiernos não querem nem ouvir falar em não ter propriedades.

Destes dízimos seria tirada uma oferta alçada que seria “o dízimo dos dízimos” que seria dado á Arão o sacerdote. Números 18:28 O resto (neste tempo) ficava nas mãos de todos os levitas Números 18:30. Hoje apenas um punhado de “levitas” usufrui desta gordura. (Coloquei “levitas” entre aspas porque não mais existem levitas desta ordem).

O dízimo era algo anual, por ser fruto do campo Deuteronómio 14:22

Verdadeiramente Deus não muda em sua essência, mas sua forma de lidar com os homens é adequada periodicamente segundo sua própria sabedoria, o que era para os levitas passou a ser consumido também pelo povo contribuinte numa grande festa, o que era anual, passou a ser de três em três anos, o que era apenas para o sustendo da tenda e dos levitas, passou a ser também para os órfãos, os pobres, os estrangeiros,Deuteronómio 14:23/29  

Os Israelitas de então compreenderem o sentido e o alcance da ordem de “comer as oferendas no lugar indicado por Deus” somente uma parte delas seria “comida” e em “sacrifício”, significando-as em sua totalidade, para a santificação. “Comeriam-nas” o ofertante e sua família, o sacerdote e, com a queima de algumas partes delas, “o próprio Deus” (Levítico 3,5,16 etc.) Agora é o próprio Jesus Ressuscitado, o Filho de Deus Vivo, o Santo de Deus, que alimenta o Seu Próprio Corpo, unificando-O e santificando-O: É São Paulo quem esclarece com maior objetividade o sentido da manducação (ato de comer) das oferendas, quando afirma em I Coríntios 10:17/18  .

Inaugurou-se então “o ano dos dízimos” com maiores detalhes legais que obrigariam estes transgressores da lei do amor a fazerem uma melhor distribuição de renda entre as pessoas; Deuteronómio 26:12.

Em I Samuel capítulo 8, o povo pede um rei rejeitando á Samuel e porconseqüência rejeitando á Deus, então Samuel, que era profeta e sacerdote profetiza acerca deste rei, entre muitas atrocidades e perversões, ele cobraria dízimos do povo para dar aos seus criados e eunucos.

Veja em  I Samuel 8:10/19  

O rei Salomão instituiu o dízimo como um dos impostos para sustentar seu aparato oficial. Não é este tipo de rei, fruto da rejeição de Deus que queremos para nós hoje. Desde que reis começaram a dominar o povo de Israel, o povo passou a viver de altos e baixos, periodicamente surgia um bom rei e o povo era abençoado, e quando surgia um mau rei o povo se dispersava, se distanciava de Deus e parava de cumprir a lei de Moisés.

Acaz tinha vinte anos quando começou a reinar e reinou por 16 anos em Jerusalém sendo um rei ímpio sendo afligidos pelo Senhor através dos sírios IICrónicas 28. Nesta época todo o Israel deixou de cumprir a lei inclusive de dizimar, mas depois dele veio o rei Ezequias II Crónicas 29, II Crónicas 30 e II Crónicas 31, que mandou purificar o templo e restabelece o culto de Deus. O povo então volta a observar a lei e trazem com prazer muitos mantimentos em forma de dízimo e o justo rei divide tudo conforme a lei a todos. Neste tempo mandou Ezequias que fossem construídas câmaras na casa do Senhor para fielmente guardar o que sobejasse, II Crónicas 31:11/12

No tempo de Neemias, o dízimo dos dízimos que era para Arão, passou a ser depositado nestas câmaras. Neemias 10:38. Neste tempo (de Neemias) também houve outro grande avivamento e retorno a obediência á lei pelo exemplo de fidelidade e prontidão em atender o povo dada pelos levitas. Neemias 12:44

Obs. Há alguns espertinhos que querem confundir dízimos com primícias para ampliar o conceito do que é dízimo. Sugerem um conveniente mesclado entre primícias e dízimos, porém veja a diferença em Deuteronómio 26:1/11 primícias, eDeuteronómio 26:12/14 dízimos.

  Havia ordem rigorosa para que este grande volume de mercadorias fosse repartido por todos com justiça, para os levitas, para os cantores, até para os porteiros, tirava-se uma oferta para os sacerdotes Neemias 13:5. Porém, não muito depois, no tempo de Amós o povo já havia se corrompido novamente. As ameaças são preditas pelo profeta nos capítulos 1- 3- 4- 5- 6-7 e 8 e no capítulo 9 promessas de restauração. (Leia-os todos para que não se diga que são textos isolados.)

Neste tempo o povo mais uma vez havia caído no formalismo religioso, um falso avivamento. Os dízimos que deveriam ser pagos de três em três anos eram trazidos para Betel e Gilgal de três em três dias, todas as manhãs eram trazidos os sacrifícios obrigatórios e até voluntários. No entanto eram condenados pelo Senhor, pois além de sacrificarem aos deuses, quando faziam estas coisas tinham prazer em publica-las e não havia separação de parte para os pobres, os necessitados não tinham assistência, enquanto eles engordavam como “vacas de Basã” (eram os mais lindos e bem tratados animais que havia). Apesar de tantos dízimos, Deus lhes daria “limpeza de dentes” ou seja, falta do que comer, falta de pão. Em vez de abrir as janelas do céu, reteria a chuva de maneira que em uma cidade choveria e em outra não. Estes assíduos dizimistassairiam de uma cidade á outra procurando melhor condição de vida. Veja ao menosAmós 4:4/6

Malaquias (por ser este livro da lei o preferido dos arrecadadores de dízimos, que isolam o capítulo 3 e verso 10 de seu contexto, farei uma exegese mais pontual) traz então um novo chamado para reconciliação, clamor este dirigido aos sacerdotes e não ao povo que apenas refletia o desprezo dos sacerdotes. Malaquias 1:6b …diz o Senhor dos exércitos a vós, ó sacerdotes, que desprezais o meu nome. E vós dizeis: Em que temos nós desprezado o teu nome? pois trazendo o povo os dízimos, era oferecido por eles á Deus só o resto, só o coxo e o enfermo, ficando para si todo a  melhor parte (vr.8)

Deus não tinha prazer nos sacerdotes vr. 10 Eu não tenho prazer em vós, diz oSenhor.. Estes sacerdotes roubavam para oferecer ao Senhor vr.13 E tendes trazido o que foi roubado, e o coxo e o doente… sendo amaldiçoados pelo Senhor vr.14.

No Capítulo 2, Deus reafirma que esta mensagem de Malaquias é para os sacerdotes, representantes do povo, hoje os pastores querem redirecionar esta mensagem para o povo. Porque não tomam para si? Seria mais bíblico. Malaquias 2:1Agora, ó sacerdotes, este mandamento e para vós.

Por causa destes, as festas (cultos) não eram aceitas (vr.3). Que situação difícil estava o povo, a lei da verdade que era esperada para orientar, não mais havia, pois os sacerdotes estavam desviados dos caminhos do Senhor induzindo todos ao erro.Malaquias 2:7/11. Faziam preferências, quem mais agradasse os sacerdotes mais eram honrados. Tem percebido algo assim nos dias atuais? Por isto Deus os fez desprezíveis diante de todo o povo vr. 9.

O povo então, sem lei, sem justiça, roubado por seus próprios líderes, se afastou mais uma vez da lei, fazendo casamento com povos pagãos e assimilando cultos destes povos vr.11.

No capítulo 3 Deus anuncia o Messias precedido por João Batista, que para os sacerdotes não seria algo prazeroso de se esperar pois ele viria como o “sabão doslavandeiros” pondo tudo á limpo como realmente aconteceu, os sacerdotes foram todos desqualificados pelo Messias. Por favor, leia Mateus 23:1/39 , versículo isolado diz-se o que quiser.

Em Malaquias 3:5/10, no verso 5 Deus promete ser nosso juiz quando o Messias vier e julgar com rapidez os que enganam, tomam o salário do trabalhador (defraudam o jornaleiro) não acodem a desamparada (que tem direito ao socorro), o órfão, e até o de fora que precisa de ajuda (o estrangeiro) sem nenhum temor ao Senhor que é vingador de todas estas coisas. Deus só não os destruiria por causa do seu poderoso Nome, como vemos no vr. 6. Não é que Deus não muda em relação á lei ou ao dízimo, pois isto já mudou, Ele não mudaria sua promessa feita á Davi, pois não é homem para que minta, nem filho do homem para que se arrependa. II Reis 8:19.

Deus avisa aos sacerdotes que eles se desviaram dos seus estatutos, e que deveriam devolver tudo o que roubavam do senhor, porem eles não admitiam suas culpas vr.7 e 8, muito diferente de Zaqueu o publicano que reconheceu muito antes de ser acusado Lucas 19:8. 

As câmaras feitas pelo rei Ezequias estavam vazias, os sacerdotes haviam roubado tudo. O povo não tinha confiança para continuar trazendo, a casa de Deus estava abandonada, os pobres desamparados, as viúvas ao leu, e o estrangeiro sem socorro, Deus insiste dando nova oportunidade. Vr. 10.Casa do tesouro” eram as câmaras de Ezequias e “abrir janelas do céu”, “derramar bênção que dela advenha abastança” significa, fazer com que chova em suas plantações, suas lavouras sejam fartas e tenham novamente mantimento para atender os levitas, os órfãos, os estrangeiros carentes, e as viúvas que não tinham sustento. O dízimo não era para construir igrejas, pois só havia um único templo, tampouco era dado em espécie (prata-ouro-moedas), deveria ser levado em mercadoria até o templo. Se não fosse possível por ser longe o caminho, venderia e indo até o lugar determinado as compraria novamente. Deuteronómio 14:24/25

Malaquias 3:10 é o preferido deles para arrecadar verbas mesmo sendo um livro da lei. Isto ninguém nega. Por favor, não se prenda a este versículo apenas, ignorando o seu contexto, (como eles fazem) leia o livro todo, é tão pequeno, versículo isolado não prova nada, pode servir de “base” insólita para mal intencionados.

Jesus veio para cumprir a lei, nasceu sob a lei, só depois de cumpri-la poderia tirá-la e estabelecer outra, a saber, a graça, Mateus 5:17 Isto aconteceria por ocasião da sua morte onde diria “está consumado”, o véu do templo que separava o lugar santo do lugar santíssimo e que necessitava da pessoa do sacerdote para interceder pelo povo, se rasgou totalmente, desautorizando o sacerdócio da lei, valendo aqui as palavras deHebreus 10:9 Foi tirada a lei, o império do pecado e da morte, e estabelecida a graça acessível a todo o que crer sem as obras da lei.

Antes que implantasse a graça que regeria a sua igreja, ele tinha que recomendar a lei, como por exemplo, no caso de Mateus 8:4 e também em Lucas 17:14. Claro que não faríamos isto hoje, mesmo sendo recomendado pelo próprio Senhor Jesus em pleno Novo Testamento. Ocorre o mesmo em Mateus 23:23 como veremos a seguir.

Em Mateus 23:23 Jesus repete este comportamento quando censura a hipocrisia dos escribas e fariseus que roubando a Deus na justa interpretação da lei, traziam apenas (como em Malaquias) o dízimo de coisas insignificantes, desprezando o pobre, a viúva, a justiça, a misericórdia e a fé, achando eles que estavam bem com Deus. Jesus lhes diz que se quiserem se justificar na lei, deveriam faze-la direito, de maneira completa, com dízimos que honrassem a Deus e sem deixarem a justiça, a misericórdia e a fé de lado. Como nos exemplos acima, Jesus recomenda que fizessem estas coisas a justiça, a misericórdia e a fé, que era a parte mais importante da lei sem omitiraquelas, o dízimo. Nós não queremos nos justificar na lei, o próprio Jesus afirma serem estas coisas da lei. Deve o estudioso da Bíblia observar que o capítulo 23 de Mateus, é quase inteiro destinado á censura e juízo para os escribas e fariseus, trazendo mais de sete “Ais” inclusive no versículo 23 em apreço, e não é aconselhamento para seus discípulos.

Em outra ocasião vemos outro “dizimista” que, alias, também chamava o que não dizimava de ladrão, ser desaprovado e um não-dizimista ser aceito pelo Senhor, mostrando que o dízimo e seu séquito haviam chegado ao fim, Lucas 18:10/14. Você é como o fariseu, ou como o publicano?

O legalismo leva ao fanatismo, é muito comum se vêr pobres vítimas de ensino errado sobre o dízimo deixarem seus pais desamparados, mas não deixarem de trazer fielmente seus dízimos para sua igreja mudando assim a lei de Deus de honrar seu pai e sua mãe. Mateus 15:1/9 Nem sempre estar de bem com os homens é estar bem com Deus. Saulo era um dos mais brilhantes e admirados homens do sinédrio, mas não estava bem com Deus. Pedro era amigo dos crentes gentios, mas quando chegavam os irmãos judeus da sede ele se afastava sorrateiramente para ficar bem com eles, não andava retamente conforme a verdade do evangelho  Gálatas 2:12. Veja tambémActos 5:29.

Finalmente o escritor ao Hebreus ratifica que o dízimo embora mencionado duas vezes antes ser incorporado pela lei, é propriedade da lei dizendo: Hebreus 7:5. Muitos são os que, na ânsia de justificar tão lucrativa arrecadação, arrancam o verso 8 de Hebreus de seu contexto e distorcem fazendo sofismas, vejamos em Hebreus 7:8.

Dos versos 1 até o vr 7 Hebreus 7:1/7 fala sobre Levi e Melquisedeque, neste verso quando diz “aqui” diz sobre o sacerdócio levítico, e quando diz “ali” se refere aMelquizedeque, que era da mesma ordem sacerdotal de Cristo mas não era Cristo, não morreu por nós, não deixou doutrina para a Igreja, isto é questão gramatical.

 

Encerrando, não há em nenhum lugar no Novo Testamento obrigatoriedade de se pagar dízimos. Confira e veja que nenhum escritor sacro deu tal ensino. Vivemos na graça dada por Jesus Cristo não na lei nem antes da lei, no sistema patriarcal. Na verdade Deus, na sua infinita sabedoria, deixou mandamentos que providenciam fundos para sua obra na terra e até sua finalidade, está em II Coríntios 9 aconselho a ler com atenção o capítulo inteiro várias vezes, com especial ênfase nos versículos 7 e 12 II Coríntios 9:1/15

Obs. Quando fazem uso da frase genérica “sustento da obra” não prevêem as necessidades dos santos na participação do dízimo.

 

Não deixe de contribuir, avareza é pecado. Colossenses 3:5

Concluímos pois que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei Romanos 3:28. Somos salvos pelo sangue de Cristo, que é poderosamente suficiente para nos salvar. Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo. Romanos 8:1 Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Efésios 2:8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus.

O suprimento cotidiano do Crente vem de ofertar com amor e buscar o reino de Deus e sua justiça, e não do dízimo que é uma ortodoxia morta.

Veja o que está em Mateus 6:25/33

Sobre o Colaborador

Artigos Relacionados